terça-feira, 24 de novembro de 2015

Terrorismo Ucraniano

Numa altura em que tanto se fala de terrorismo, o Estádio do Dragão foi hoje alvo de atentando por parte dos ucranianos do Dínamo de Kiev.

Depois de uma Liga dos Campeões praticamente perfeita com 10 pontos em 4 jogos, o Futebol Clube do Porto que precisava apenas de um empate para carimbar a passagem à próxima fase da Liga dos Campeões perdeu em casa diante do Dínamo de Kiev por 2-0 e mesmo ainda estando na liderança do grupo poderá ter posto em causa as possibilidades de passar à próxima fase.

Num jogo em que correu tudo mal como um penalti que tem tanto de duvidoso como de parvo ainda na primeira parte por parte de Imbula, que continua sem justificar o investimento feito, que deu a liderança à equipa de Kiev. Esperava-se que o golo fosse alterar alguma coisa na forma de jogar passiva do Porto, mas a verdade é que tal não aconteceu e o Porto continuou a ver jogar e a ver os ucranianos a somarem as principais oportunidades de golo. Ao intervalo Lopetegui faz aquilo que costuma fazer muitas vezes sem se perceber muito bem porquê, mexer em vários sectores ao mesmo tempo. Retira Maxi Pereira da direita e coloca lá Layún, Danilo passa para defesa central, Martins Indi para lateral esquerdo, Imbula recua para fazer companhia a Rúben Neves no centro mais defensivo de meio campo e entra André André para a frente dos dois. A verdade é que o rumo dos acontecimentos não se alterou, o Porto estava mais pressionante, mas pouco acutiliante e as oportunidades não surgiam. Por essa altura o Porto pode-se queixar de um penalty claríssimo por marcar sobre o André André que foi claramente à frente do árbitro da partida, o mesmo que na época passada não teve a coragem de expulsar Neuer em pleno Estádio do Dragão logo aos 10 minutos na vitória do Porto por 3-1 diante do Bayern de Munique.

Passado esse lance, Casillas que estava a ser o melhor da noite do Porto com muitas defesas importantes acaba por levar um frango de todo o tamanho a fazer lembrar as suas piores noites de Madrid. Após o segundo golo, o Porto continuou com a cabeça fora do lugar, a correr muito mas sem sentido. Lopetegui voltou a mexer colocando o cada vez mais inútil Osvaldo e Corona para as saídas de Imbula e Brahimi. Estas alterações, tal como outras nada acrescentaram ao jogo ainda que fosse depois dessas alterações que surgiu a primeira oportunidade de golo do Porto na partida após um cruzamento de André André desviado por um defesa do Kiev em direção ao poste. A outra surgiu nos últimos segundos da partida num remate à barra. 

O excesso de confiança parece ter sido o principal factor para um jogo tão mau da equipa portista perante um Dínamo Kiev que sabia exactamente o que fazer e fê-lo bem. Aproveitou um factor repetente na equipa portista que é a passividade que vai colocando no jogo perante a falta de pressão do adversário, pressão essa que foi crescendo e que depois o Porto não soube contrariar. 

Após isto o Porto perde pela primeira vez esta época e já não se vai poder andar a gabar em Dragões Diários que ainda não tinha acontecido esta época (mesmo não estando à frente em nenhuma competição) e também falhou o recorde de jogos seguidos a fazer golos, tendo em conta que hoje nem um para a amostra teve. Este foi também o quarto jogo seguido contra equipas ucranianas que a equipa de Lopetegui sofre dois golos. São quatro jogos, três empates e uma derrota por 2-0 no Estádio do Dragão e sete golos sofridos. Já não bastavam os terríveis colossos da Madeira e de Lisboa e agora temos que levar também com estes da Ucrânia...

Não querendo ser pessimista, apenas realista o Porto carimbou hoje a sua entrada direta na próxima fase da Liga Europa. Olhando para as contas do grupo, neste momento Porto e Chelsea lideram com 10 pontos e Dínamo de Kiev vem logo atrás com 8. O problema é que Dínamo de Kiev joga em casa diante do Maccabi na última jornada pelo que é praticamente garantida que terminará a fase de grupos com 11 pontos. Ou seja, em caso de empate no Porto em Londres passaria Dinamo de Kiev e Chelsea porque a diferença de golos do Porto é a pior dos três. Apenas uma vitória daria a passagem do Porto aos oitavos de final, o problema é que a equipa de José Mourinho também precisa de ganhar ou pelo menos empatar sobre o risco de ficar de fora na Liga dos Campeões. 

Com este falhanço cada vez mais provável a nível internacional e com o campeonato à distância de 5 pontos para a liderança, ainda que com menos um jogo, tudo se alinha para mais um ano "esquecível".



P.S: Curiosamente Porto Youth e a equipa sénior chegaram a esta jornada com o apuramento praticamente garantido. Curiosamente as duas terminam esta jornada com um pé e meio fora da Liga dos Campeões.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Sem margem para errar

Preparem-se para mais um ano díficil, porque pela terceira época consecutiva voltamos a não ter qualquer tipo de margem para erro.

Num campeonato nacional disputado a três voltamos a ter um líder isolado com 5 pontos de avanço para o segundo classificado e mais um jogo de abébias dadas pelas equipas de arbitragem. Tal como nas duas épocas anteriores o líder é mais líder fruto da farsa que são as arbitragens portuguesas do que propriamente por jogar alguma coisa e contabiliza o seu terceiro jogo seguido com decisões importantissimas decidadas a favor pela equipa de arbitragem com influência no resultado.


Por outro lado, o Futebol Clube do Porto continua a contar com arbitragens muito permissivas quando estamos perante faltas do adversário e arbitragens bastante rigorosas perante faltas do Futebol Clube do Porto especialmente no que a nível de disciplina diz respeito. Felizmente ontem o Maxi conseguiu terminar a partida sem amarelos.

Posto este cenário que se tende a repetir não há margem para dúvidas que se quisermos ganhar alguma coisa não podemos facilitar em jogo algum pois os adversários mesmo facilitando de uma forma ou de outra acabarão por ganhar.
 
Em relação ao jogo de ontem trata-se de uma boa e importante vitória do Futebol Clube do Porto, a única equipa que quis ganhar durante a partida e que enfrentou  um Setúbal defensivamente personalizado e consciente daquilo que queria fazer em campo. 

Ao longo do jogo o Porto contou com ínumeras oportunidades de golo negadas pela barra, pelo guarda-redes do Vitória ou por falta de pontaria. O tempo passava e a bola não entrava e nas bancadas já se temia que a falta de eficácia pudesse voltar a tirar-nos a merecida vitória. 

Mas uma raça e uma vontade de ganhar como há muito não se via, bem como a energia dum público sedento de vitória que ajudou a empurrar a equipa levou a que tudo mudasse e a bola finalmente entrasse. A entrada de Osvaldo acaba por ser decisiva pois ajudou a arrastar os defesas do adversária e a arranjar espaço que foi finalmente aproveitado por Aboubakar. O camaronês volta assim aos golos no campeonato esperando-se que tenha posto fim à seca dos mesmos regressando agora o avançado das primeiras jornadas. Quem se continua a destacar é Miguel Layún que depois do golo em Israel voltou a ser absolutamente decisivo. Primeiro com uma grande assistência para o golo de Aboubakar e depois com um grande golo a fechar a contagem e a dar a tranquilidade à equipa. O jogador mexicano acabou por ser mesmo considerado o MVP do encontro, não só pelo golo e pela assistência mas também pela grande entrega que tem ao jogo durante todos os 90 minutos e que vai conquistado fãs nas bancadas do Dragão.

No geral foi um jogo muito positivo da equipa portista que só pecou mesmo pela falta de eficácia que poderia ter-se traduzido numa goleada invés de um resultado que acaba por ser curto. A jeito individual aproveito para  destacar as exibições de Tello (apesar de nem sempre assertivo), Maxi Pereira, Danilo Pereira, Bruno Martins Indi que fez um jogo absolutamente extraordinário e Aboubakar porque apesar de ter falhado muito trabalhou imenso.

Por último aproveito para destacar a grande vitória na terça-feira em Israel que nos coloca com um pé nos oitavos de final da Champions League. Ainda assim é importante não desarmar e continuar a lutar pela garantia do apuramento e depois pela passagem em primeiro lugar no grupo.

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

O fenómeno Rúben Neves em destaque no Brasil!


Rúben Neves, que com apenas 18 anos, vem ultrapassando barreiras incríveis para a sua idade, viu o seu talento reconhecido por um dos maiores canais brasileiros de desporto, que fizeram esta excelente reportagem sobre ele.