quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

O intocável e os assobios

Ao longo destes últimos tempos tenho-me deperado no Facebook do Dragão Azul com um facto particularmente interessante que é que sempre que se critica alguém da direcção a página é atacada e alguns dos nossos seguidores abandonam-na. 

Confesso que esta situação me faz um pouco de confusão ainda que seja verdade que ninguém é obrigado a seguir-nos, mas até acho que fazemos um bom trabalho estando presentes quer nos momentos bons quer nos momentos maus defendendo o nosso clube e não alguém em particular. Todavia e infelizmente para todos nós portistas, os momentos maus têm-se sucedido ao longo dos últimos anos.

Focando-me mais naquilo que tenho hoje para vos dizer quero começar por esclarecer que também para mim, tal como para muitos de vocês nossos seguidores, Pinto da Costa é sinónimo de Rei, Deus, Papá... Felizmente não tive a infelicidade de viver no período ante-Pinto da Costa em que dizem os mais antigos que eram períodos em que o clube não passa de um clube província com muito pouca expressão e 0 títulos. Eu cá já sou do período dourado, o período em que me habituei a ganhar com frequência e a ver o clube prosperar acima de todos os outros clubes em Portugal, um clube rigoroso de exigência máxima por parte de todos os elementos envolvidos sejam jogadores, treinadores, dirigentes ou massa associativa. Obviamente que também já vivi alguns momentos menos bons, mas no geral tem sido tudo momentos positivos e obviamente que muito desses momentos positivos temos que agradecer ao nosso grande presidente que fez esta semana 78 anos. 

Acreditem, nem eu nem nenhum membro da equipa do Dragão Azul somos ingratos. Devemos muito a Jorge Nuno Pinto da Costa e jamais esse incontornável nome da história do Futebol Clube do Porto deverá ser esquecido. Todavia também não andamos a dormir e a verdade é que nos últimos anos, o mesmo rigor e exigência que fez o clube chegar onde chegou parece andar em falta e têm-se sucedido alguns episódios tristes relacionados com a direcção do clube que nos faz questionar se essa mesma direcção ainda tem os interesses do clube acima dos seus próprios interesses. 

Já são demasiados episódios desde alguns negócios de jogadores, relacionamentos com empresários, alguns despedimentos e conflitos com outros dirigentes e jogadores entre outros episódios que não valem a pena ser enumerados têm deixado a sua marca. É verdade que não há factos concretos que tenha para apresentar para demonstrar algo contra corrente direcção, não tenho, nem é meu dever ter e mesmo que fizesse provavelmente não o faria e também não sou hipócrita, sei perfeitamente que se continuássemos a ganhar sucessivamente títulos como ganhávamos no passado provavelmente continuava tudo feliz e os comentários que hoje se vêm por esta Internet fora relacionados com estes temas continuavam a ser paisagem como se vivêssemos num mundo cor-de-rosa. Todavia, a falta deles acho que tem sido fatal para que comecem a surgir dúvidas sobre o rumo que a gestão do nosso clube por parte daqueles a quem esse poder lhes foi dado tem sido feita. 

Obviamente que nem tudo é mau, esta direcção continua a mostrar que ainda tem capacidades de nos surpreender... A jogada com a equipa de ciclismo, o contrato com a MEO e algumas das obras que têm sido realizadas pelo nosso clube (como por exemplo o Museu que nunca mais viu um título da equipa de futebol lhe ser depositado) demonstram isso mesmo, demonstram que ainda há pessoas a trabalhar bem na administração do nosso clube. O problema tem sido mesmo os resultados e confesso que o facto de os nossos dirigentes, neste caso o dirigente maior, apenas aparecer quando as coisas correm bem começa a deixar-me um pouco frustrado. Já o ano passado deixou quando as coisas correram bastante mal e Lopetegui era o único que dava os peitos às balas que apontava aquilo que estava a acontecer no campeonato português quando noutra altura qualquer não seria o único a fazê-lo, teria o carimbo da direcção por trás demonstrando que não andamos a dormir. E atenção que eu não defendo Lopetegui, muito pelo contrário por mim já tinha sido posto na rua o ano passado. O problema é que se calhar o problema já não começa a passar só pelo treinador porque já é o segundo seguido a falhar e mesmo Vitor Pereira teve muitas dificuldades em triunfar nunca tendo caído no goto dos adeptos. 

A imagem que a direcção passa neste momento é que está sonolenta acordando para beber o café quando as coisas correm bem e voltando a adormecer logo após tal. Confesso que não me recordo da última vez que vi uma entrevista do nosso presidente numa situação má ou a falar ao público, quando antes até era frequente e muitas vezes era a receita certa para que as coisas começassem a entrar nos eixos. 

Atenção que não quero dizer com isto que Pinto da Costa deve abandonar a presidência, não se recandidatar, entregar o clube a outro, digo apenas que se calhar está na altura de todos colocarmos as mãos na consciência e decidir aquilo que é melhor para nós e que tipo de direcção queremos e mais... Se esta ainda mantém a competência necessária para mudar o rumo que o clube tem apresentado. 

Mudando agora de assunto, aproveito para falar do jogo de ontem da Taça da Liga. Num ano em que Pinto da Costa assume claramente, dois dias antes do jogo, que temos que fazer melhor nesta Taça, depois da há uns meses ter dito que estava na altura de a ganhar, ao fim da primeira jornada da fase de grupos estamos praticamente eliminados com uma humilhante derrota em casa contra o colosso madeirense Marítimo que continua a assombrar o Porto nestes últimos anos e em especial Julen Lopetegui (é a terceira derrota em cinco jogos tendo já sido o nosso carrasco na edição passada da Taça da Liga). 

Confesso que ontem nem achei que a culpa fosse de Julen, apostou numa equipa rodada o que não me pareceu um erro crasso e também acho, tal como ele, que o onze apresentado devia ter capacidade para bater o Marítimo. De resto fomos superiores durante grande parte do jogo, mas a falta de eficácia (André Silva falhou quatro golos cantados e Aboubakar outro por exemplo) e erros defensivos infantis (Marcano desde há uns jogos para cá tem apresentado uma forma absolutamente lastimável tal como o seu compatriota Cristian Tello) deitaram tudo a perder. Todavia é notório que já não há paciência para o treinador nas bancadas do Dragão resta saber o que vai acontecer agora no domingo num jogo absolutamente fulcral. Será que a derrota será o fim da linha para Lopetegui?

0 comentários:

Enviar um comentário