segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Outra vez arroz

Há algumas anos atrás dizia-se que era impossível o Porto ter dois resultados negativos. Após um resultado negativo a equipa unia-se e partia para uma série de resultados positivos. Esse passado parece cada vez mais distante e cada vez mais sem jeitos de voltar.

Todos esperavamos que com Nuno Espírito Santo esse espírito guerreiro característico do Futebol Clube do Porto voltasse e verdade seja dita nos primeiros jogos parecia ter mesmo voltado. Aliás, após um resultado negativo diante do Sporting soubemos dar a resposta num jogo relativamente bom contra o Vitória Sport Club que terminou nuns esclarecedores 3-0. Logo após isso, quando se esperava uma jornada tranquila na Liga dos Campeões e  que desse continuidade ao bom resultado do campeonato, vacilou-see não se foi além de um  empate diante do Copenhaga em casa já aqui discutido.

A tendência das épocas passadas tem sido esta, uma inconsistência incrível e adeptos sempre com o coração nas mãos não sabendo o que esperar de jogo para jogo. Tanto podemos fazer uma grande exibição que termine numa goleada (apesar de ainda não ter acontecido esta época) como podemos fazer jogos miseráveis como aconteceu na quarta-feira e ontem diante do Tondela. Se contra o Copenhaga disse que tivemos a pior exibição da época, ontem ou repetimos o feito ou fizemos ainda pior. 

Nuno Espírito Santo tinha prometido reação para este jogo e tentou reagir mudando todos os sectores da equipa. No eixo da defesa lançou Boly e tirou Marcano. No meio campo retirou Danilo e colocou Rúben, tirou Óliver colocou Brahimi e no ataque tirou Corona e lançou Depoitre, mas resultados práticos não se viram. O Futebol Clube do Porto durante os primeiros quarenta e cinco minutos simplesmente  não jogou estando em Brahimi e Otávio os únicos movimentos de algum interesse ofensivo. Quando se esperava uma entrada forte na segunda parte, de novo nada acontece e a reação de Nuno é tirar o único jogador que estava a acrescentar algo ao processo ofensivo da equipa, Brahimi em mais uma substituição que nada alterou o rumo do jogo.

Apenas a partir dos 68 minutos quando saiu um muito apagado Depoitre (também não teve grande jogo), e entrou Adrian López é que se começou a ver  alguns movimentos interessantes na frente de ataque (se é para jogar com dois avançados tem que ser obrigatoriamente com André Silva e Adrian e não André Silva e Depoitre), mas ainda assim sem nada de particular interesse. De resto a primeira oportunidade de golo clara é para o Tondela que termina numa boa parada de Casillas. Este lance parece ter acordado um pouco a equipa e a partir dos oitenta minutos finalmente começamos a ver bom futebol, boas oportunidades de golo que podiam ter sido suficientes para dar um rumo diferente ao jogo. André Silva teve duas excelentes oportunidades, mas o egoísmo/vontade de mostrar trabalho fez com que decidisse mal em ambas podendo perante melhores opções tanto de remate como passe uma vez que Adrian apareceu completamente sozinhos em ambos os lances. Esta não é a primeira vez nem provavelmente será a última que André toma decisões horríveis deste género com custos para a equipa, se calhar está na hora de começar a ver alguns jogos do Barcelona como por exemplo o golo de Neymar a passe de Suárez aos 44 minutos (fica a recomendação) ou a receber tratamento de banco, mas tudo se complica quando não há uma alternativa decente.

Posto isto foram-se mais dois pontos e já vamos em cinco perdidos em apenas cinco jornadas. No final do jogo Nuno disse que uma equipa que queira ser campeã tem que vencer estes jogos. Pura verdade pois tal como o Sport Lisboa e Benfica provou a época passada não é preciso ganhar todos os clássicos para se ser campeão, mas contra os clubes mais pequenos não se pode facilitar. Nós facilitamos e muito e isto pode-nos custar muito caro, especialmente numa jornada onde há boas possibilidades de os rivais mais diretos perderem pontos, como provou o resultado do Sporting ontem diante do Rio Ave. 

Já a direção do Porto sem reação oficial virou-se novamente para os Dragões Diários e para o Facebook para atacar os erros de arbitragem. É verdade que são erros claros, mas uma equipa que joga tão pouco e que empata contra o Tondela (somamos uma derrota e um empate nos últimos jogos contra este colosso do futebol português) só se pode queixar de si própria.

Nova reação fica prometida para o próximo jogo diante do Boavista no fantástico derby de sexta-feira à tarde, mas de promessas andamos nós adeptos fartos e de boas intenções e discursos bonitos está o inferno cheio. Joguem à bola e deixem tudo em campo é a única coisa que pedimos e exigimos e que infelizmente só temos visto a espaços. 

0 comentários:

Enviar um comentário